marcos ferreira-santos



jardineiro, marceneiro, cultivador de bonsai tropical e penjing, artesão… músico, folklorista, arte-educador semeador de sumak kawsay, panafricanismo e filosofias ancestrais…
…um teimoso menino de escola pública que, nela nada aprendeu, e se aventurou em outras paragens… assim costumo definir a trajetória de quem saiu cedo do abrigo do mar de Santos e começou a trabalhar também cedo como aprendiz de torneiro mecânico na região operária do ABC paulista aos 9 anos de idade. Encontrou sua primeira figura de mestre num torneiro mecânico chileno, enrique parada, que me ensinava como desviar dos cavacos e, ao mesmo tempo, das vinhas, parras, bailes y cuecas, pablo neruda, inti-illimani, victor jara, violeta parra, poesia e ditadura militar num chile destroçado e de onde havia fugido… assim se imprimiu um perfil de “pouca aderência” de um folklorista, filósofo e mitólogo nas paisagens da educação.